domingo, junho 18, 2006

Impressões sobre o 2o. jogo do Brasil

Mais uma vez, deu apenas para o gasto. No segundo tempo, chegamos a tomar um calor dos australianos. Durante os 90 minutos, deu pra perceber:

* Ronaldo Cachalote está fora de forma e sem tesão pra jogar. Saiu vaiado novamente. Banco nele!

* Dois jogos e Ronaldinho Gaúcho nada fez digno de nota.

* Fred e Robinho entraram muito bem, deram outro ânimo ao time. Formariam nosso ataque de agora em diante, mas Parreira, o turrão, vai insistir na dupla cetácea (pesados e lentos)- Ronaldo e Adriano.

* O quadrado mágico não funcionou até agora. Será que vai em algum momento?

* Continuo achando que Juninho Pernambucano tem vaga nesse time.

* Dida continua o mesmo: estabanado. Se contra times medianos foi assim, temo pelo que pode acontecer quando pegar ataques mais fortes…

7 Comentários:

Às dom jun 18, 05:22:00 PM , Blogger Ricardo Ferraz disse...

Do jeito que esta, paramos nas quartas.

Vcs ja imaginaram o Felipao neste time???

Mandava uns dez para o chuveiro.

Acho que tem de desfazer o quadrado mesmo. Nao deu certo, ha que se admitir, embora tenha defendido a fomacao.

Juninho tem mesmo de entrar.

Mas Cafu, Roberto Carlos, Ronaldinho, Adriano tambem devem mostrar a que vieram.

Algo vai muito mal quando o melhor em campo e o Zeroberto.

 
Às dom jun 18, 07:25:00 PM , Blogger Sérgio Ruiz disse...

Foi uma vitória sofrível, é verdade. Mas a Copa, como todos nós sabemos, começa a partir das oitavas de final.
Acho que o Brasil deve melhorar e é candidato ao título. Acho o problema de conjunto do time mais preocupante do que algumas atuações individuais. Falta claramente um cara que organize melhor as coisas no meio-campo. Juninho Pernambucano é esse homem. O Ronaldinho Gaúcho também precisa atuar mais à frente, como segundo atacante. Qualquer bola que ele recebe perto do gol vira um perigo. Foi assim que ele se consagrou no Barça.
O Ronaldão foi razoável e o Gaúcho discreto, ainda muito aquém do que se espera dele. Mas, é sempre bom lembrar, o Maradona não arrebentou nos primeiros jogos da Copa de 86. Virou um monstro a partir do clássico contra a Inglaterra. Na Copa de 2002, o Brasil só engrenou mesmo depois da vitória contra os mesmos ingleses. Até então, precisamos até garfar a Bélgica para seguir adiante. Por isso, insisto: é cedo demais para cravar análises definitivas.
Os comentários do Igor não me surpreendem, pois o cara está torcendo para a Itália. Quanto ao Paulo Nogueira, acho que os exageros da sua resenha devem ser creditados a uma sensibiidade sempre à flor da pele, típica dos torcedores do Brokeback F.C.

 
Às seg jun 19, 10:14:00 AM , Blogger Igor disse...

Sabem o que é isso? Excesso de badalação. Excesso de salto alto. Podem vasculhar o blog abaixo e vão ver que há muito tempo falo disso aqui. Querem saber? É esse um dos motivos pelos quais não consigo mais torcer pelo futebol brasileiro. Eu falei que enquanto os gênios magistrais se divertiam na Suiça com as garotas e a tietagem de um modo geral, os adversários treinavam duro.
A única coisa que joga a favor do Brasil é que o desnível técnico de alguns talentos brasileiros comparados aos estrangeiros é tal que pode decidir a favor do Brasil, como aconteceu contra a Croácia. Só que todo o resto falta: RAÇA, humildade, espírito de equipe, conjunto, TREINO, VONTADE. E isso sobra na Argentina, como sempre.
Se o Brasil conseguir a proeza de perder esta Copa, vai entra com o rabo no meio das pernas em 2010, e vai ser hexa na próxima Copa. Aí, vai retornar com salto Luis XV em 2014 para tomar outro nabo com areia pelo meio das pernas. Será sempre assim. Aliás, como eu também já disse, a única exceção na história foi em 62, quando o Brasil foi bi-campeão mesmo sendo favorito. Em todas as demais conquistas, saiu desacreditado. E sempre que saiu favorito SIFU.
Só não enxerga isso quem não quer. Ou quem é fã do Galvão Bueno.

Igor

 
Às seg jun 19, 10:23:00 AM , Blogger Sérgio Ruiz disse...

Caraca, Igor, quanto fel... A Argentina impressionou mesmo contra a Sérvia e Montenegro, mas não adianta arrebentar na primeira fase e ficar pelo caminho no início dos mata-matas.
Todo mundo esquece q, até a atuação deslumbrante contra os hermanos, que nos valeu o título da Copa das Confederações, o Brasil comeu grama em joguinhos vagabundos. Perdeu até para o México.
Engraçado q vc tenha se fixado no jogo do Brasil. Aguardo seus comentários a respeito do fiasco da Itália diante dos EUA, cujo técnico, Bruce Arena, é sósia do Dedé Santana. Aquele gol contra do zagueiro-carcamano foi, até agora, o momento mais Tabajara da Copa!

 
Às seg jun 19, 11:01:00 AM , Blogger Igor disse...

Serjão,
O risco de eu ter que te pagar a pizza são mínimos, tenho consciência disso. Só não digo que que é zero porque ainda sinto na garganta o gosto amargo de 82. Naquela época eu torcia para a seleção brasileira como torço para o Palmeiras. A Itália havia sido medíocre na 1a.fase, quase não passou para a segunda. Lembro que penou para ganhar de Camarões por 1 a 0, e naquela época os africanos eram saco de pancada de todo mundo. Nesta Copa ela está quase tão ruim quanto. Só que há anos o futebol se tornou menos bonito e empolgante, porque os piores têm vencido com freqüência. O anti-jogo tem prevalecido, e ninguém mais acha absurdo um Once Caldas ou um São Caetano serem campeões.
Fico triste em não conseguir mais torcer pela seleção brasileira no futebol. Gosto muito do Brasil, por isso não aceitei proposta para ir trabalhar fora ainda. Faço tudo o que está ao meu alcance pelo país e torço em todos os demais esportes, até em bocha, se houver. Mas no futebol, não dá. Esses caras não me descem pela garganta, porque não suporto salto altono esporte.
É uma pena, porque sinto uma certa inveja de quem sai pelas ruas buzinando após as vitórias do Brasil, mesmo após uma vitória sofrível contra uma Austrália. Devo estar perdendo ótimas festanças, mas como costumo ser muito transparente, não vou fingir que torço por aqueles caras. Acho que não merecem.
Abraço,

Igor

 
Às seg jun 19, 11:41:00 AM , Blogger Sérgio Ruiz disse...

Liga, não, Igor. É só um jogo. Depois que os carcamanos caírem fora, vc tem o direito ainda de virar a casaca até o fim da Copa.
Também sou da geração do Sarriá, mas acho q hoje a situação é bem diferente. Em 82, o Brasil arrebentou na primeira fase e a preocupação de todo mundo era com a Argentina -- ninguém ligava para a Itália.

 
Às seg jun 19, 07:04:00 PM , Blogger Luciano Araujo disse...

Igor,
Sobre o salto alto eu concordo com você. Mas, este salto alto também existe lá fora. franceses, ingleses, italianos, portugueses, argentinos, espanhóis, é um mais mascarado do que o outro. Nunca tive paixão pela seleção brasileira. Simplesmente porque não são os melhores que jogam. E sim os caras do lobby do treinador, locutor, canal ou da Nike sei lá. Infelizmente é injusto ver a vontade que vários jogadores estão demonstrando nos treinos ou até mesmo nos raros momentos em que podem jogar, e simplesmente o Parreira (Cada vez mais parecido com o Kiko do chaves) ignorá-los. Mas infelizmente o time brasileiro é tão superior aos outros tecnicamente que tá cheirando outro título com esse imbecil no comando. Só um desabafo.
Parreira seu burro, põe o Juninho no lugar do Adriano e avança o Ronaldinho Gaúcho. Mete o Adriano, o Robinho e o Cicinho aos 20 do segundo tempo e é só correr pro abraço.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial